domingo, 18 de julho de 2010

"MAUS DESEJOS"

1 João 2.16

"Pois tudo o que há no mundo - a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens - não provém do Pai, mas do mundo."

Esse mesmo verso da Bíblia também é traduzido assim:
"Nada que é deste mundo vem do Pai. Os maus desejos da natureza humana, a vontade de ter o que agrada aos olhos e o orgulho pelas coisas da vida, tudo isso não vem do Pai, mas do mundo".

E uma tradução bastante antiga é: "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo".

A maneira como os espanhóis traduziram esse verso. Preste atenção; eles dizem: "porque todo lo que hay en el mundo--los deseos de la carne, los deseos de los ojos y la soberbia de la vida-- no proviene del Padre sino del mundo". O que lemos como "cobiça" ou como "concupiscência", é traduzido na Bíblia espanhola por "deseos" ou "desejos", algo que a "Nova Tradução na Linguagem de Hoje", da Bíblia, procurou fazer.

Portanto, "a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida" ...esses são "maus desejos", desejos próprias da natureza humana pecaminosa.

A tendência natural de todos nós é seguir aquilo que amamos e desejar aquilo que nos agrada. Porém, se não nos precavermos, se não tomarmos cuidado, vamos correr o risco de cultivar em nós, desejos que são desordenados e fora dos limites estabelecidos por Deus.

Há coisas que são boas, legitimamente boas, mas sabe, "o excesso de coisas boas pode trazer resultados ruins e pecaminosos", o excesso de coisas boas pode ser venenoso, e muitas pessoas, por não verem excesso em seus desejos, têm-se entregado de tal modo a eles, que estão fazendo mal a si mesmas, a Deus e ao próximo.

Desejo dos olhos, desejos da carne e soberba da vida esse é você e esse sou eu, sem tirar nem por mais nenhum detalhe.

Quando falamos em desejos da carne a primeira coisa que vem a mente são os apetites sexuais, e esta correto pensar assim, mas não somente eles traduzem esses desejos carnais que exigira de nós tamanha luta para derrotá-los em função de um novo estilo de vida implantado em nós pelo Espírito de Deus através da revelação do evangelho de Cristo, não nos é possível exterminá-lo mas sim combatê-lo, ceder a esses desejos é o mesmo que renunciar sua fé.

O desejo dos olhos é o desejo intenso de adquirir bens materiais, é a ambição de comprar tudo o que atrai, a ambição de possuir, de adquirir coisas, de acumular coisas. É a cobiça dos olhos... a pessoa só contempla as vantagens terrenas: riqueza, fama e prazer, isso é tudo o que ela quer. Mas é tolice correr desenfreadamente atrás daquilo que não trouxemos para este mundo. Numa das cartas do NT está escrito (1 Tm 6.7): "O que foi que trouxemos para o mundo? Nada! E o que é que vamos levar do mundo? Nada!".

Há pessoas que perdem a saúde para juntar dinheiro e depois perdem o dinheiro que juntaram para recuperar a saúde. Tolice. Não compensa. Que contraste com Jesus, o Eterno Filho de Deus! A vida de Jesus na terra começou num estábulo emprestado e terminou num túmulo emprestado... nada era dEle!

Mas esse desejo excessivo por adquirir coisas é também conhecido como "avareza". E essa pessoa que se apega demasiadamente às coisas materiais, inevitavelmente, é alguém que acaba se esquecendo de Deus. Os olhos dessa pessoa não conseguem ver o vertical, de onde vem a salvação; ela somente vê o horizontal, o mundo e as coisas que nele existem. Mas o primeiro grande mandamento de Deus já estabelece: "Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças" (Mc 12.30). 


Quem deseja possuir, quem deseja adquirir os bens desta vida, está incapacitado de amar a Deus. Porque os olhos de uma pessoa assim ficam saturados, voltados tão somente para as coisas terrenas: a riqueza, a economia... então, ela não consegue mais ver Deus em seu caminho.


A soberba da vida é o desejo de posição. É querer estar acima de todos.
E este tem sido um dos piores e mais demorado de todos os males a morrer no homem: o orgulho, o egoísmo. A pessoa que faz de tudo só para se promover, que faz de tudo só para ser elogiada, que faz de tudo só para receber parabéns, é tão orgulhosa quanto Satanás, e tem se tornado "deus" de si mesma.

Ouça: esse desejo é veneno mortífero!


O livro de Provérbios, na Bíblia, diz que "O orgulho leva a pessoa à destruição, e a vaidade faz cair na desgraça".

Você somente será feliz, somente será bem-aventurado, se for pobre de espírito.
No Sermão da Montanha, Jesus declarou isto: "Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus" (Mt 5.3). Ser "pobre de espírito" significa reconhecer que você não possui em você mesmo qualquer auto-suficiência, mas que depende do poder e do favor de Deus para poder entrar no Reino dos céus. Portanto, se você é orgulhoso, auto-suficiente, cheio de si mesmo, a Bíblia diz: você não herdará o Reino dos céus.
 

 Como escrevi no início não é possível exterminar esses desejos dentro de nós, mas é preciso combatê-los, pois, a entrega aos mesmos produzirá grande sofrimento. Reconhece-los é imperativo afim de não cumpri-los e também não compactuarmos de situações e locais onde sejam imperativos, mensagens apelativas para que os membros tomem cuidado com os desejos sexuais e muitas vezes com riquezas de detalhes e que são quase que marca registradas de pregações, podém indicar uma luta muito grande por parte do pregador com esses desejos, também vemos a forma com que os templos e seus líderes tem se enchido de glória com suas construções, carros e roupas que deixam muitos membros de suas igrejas com vergonha de frenquentar os cultos e por último temos visto o próprio Jesus deixado de lado: a igreja do pastor fulano, do pastor siclano, do bispo sei lá o que, esses homens chegam em seus mega eventos com proteção, entram por portas separadas da multidão, chegam dão o recado e partem antes que alguém os incomode, pra falar com eles é preciso hora marcada e com muita antecedencia e a desculpa é sempre a mesma, o tempo, as muitas atribuições, e ainda dizem nos pulpitos do seu cansaço , das viagens interminaveis, chegam a dizer que tem deixado seus afazeres particulares de lado por causa do reino de "Deus" e o que me dói em tudo isso é que o povo aplaude, estão criando um monstro e aplaudem. Mas haverá um dia que não sairá aplausos dessas mãos.

Sola gratia.

Reinaldo

Nenhum comentário: